Mishnah capítulo 4 – Tradução para Sefaria.org

(1º Versículo) Um boi que feriu[cortou] quatro ou cinco outros bois, um após um [consecutivamente um depois do outro]: ele pagará [indenizará & primeiramente] ao [o dono] do último boi ferido. Se permanecerem [os outros bois feridos anteriormente, mas ainda vivos], ele irá para [o dono & para o indenizar] do [boi ferido] anteriormente[retrospectivamente na ordem]. Se ainda houver [se ainda os outros bois anteriormente feridos estarem vivos], ele irá para [o dono do boi ferido] ferido antes do [boi ferido] anteriormente [citado imediatamente acima]. [O dono] dos últimos benefícios [do boi ferido primeiramente], as palavras do rabino Meir. Rabi Shimon diz [agora começa a elucidar a forma de indenização & no caso de apenas dois bois terem sido feridos, seguirá o raciocíonio como exemplo para todos os casos citados acima]: [Se era] um boi [o último atacado] que valeria duzentos gomos, [ou seja] um boi de duzentos e a carcaça não vale nada, este ganha cem e aquele ganha cem. [Se] voltar e ferir outro boi no valor de duzentos [e.g. caso prossiga o ataque contra outros bois], o [dono do] boi ferido por último recebe 100 e o dono do boi, anteriormente ferido, recebe cinquenta. [Se] ferir outro boi de duzentos [continuação do ataque do boi], o [dono do] boi ferido por último recebe 100, o [dono do] boi previamente ferido recebe cinquenta, e os dois primeiros recebem vinte e cinco.

Fonte original: https://www.sefaria.org/translate/Mishnah_Bava_Kamma.4.2?lang=bi&with=all&lang2=en (consultado em 05/01/2019, consulted in 01/05/2019.).

Um boi que é advertido por [ferir] sua própria espécie, e não é advertido por [ferir] aquilo que não é sua própria espécie; ou é avisado por [ferir] pessoas e não ser avisado por [ferir] animais; ou é avisado por [ferir] crianças e não ser avisado por [ferir] adultos – aquele pelo qual é advertido [seu proprietário] paga indenização integral, e aquele pelo qual não é advertido [seu proprietário] paga metade dos danos. Eles disseram na frente do rabino Judah: E se for advertido para o sábado, e não é advertido para a semana? “Ele disse a eles:” Para [os prejuízos] nos sábados [seu proprietário] paga todos os danos e por [danos] durante a semana [seu proprietário] paga metade dos danos. “Quando é [o considerado] inofensivo? Depois que ele se abstém de [danificar] por três sábados dias.

Fonte original: https://www.sefaria.org/translate/Mishnah_Bava_Kamma.4.2?lang=bi&with=all&lang2=en (consultado em 21/01/2019, consulted in 01/21/2019.).

(3º Versículo) Um boi de um israelita que feriu [cortou] um boi pertencente ao Templo, ou um boi pertencente ao Templo que feriu [cortou] um boi de um israelita, ele está isento, como diz: “O boi que pertence ao seu próximo” (Êxodo 21:35). ), e não um boi pertencente ao Templo. Um boi de um israelita que feriu [cortou] um boi de um não-judeu, ele está isento. E um boi de um não-judeu que feriu [cortou] o boi de um israelita, quer o boi seja inofensivo ou um perigo atestado, seu dono paga danos completos.

Fonte original: https://www.sefaria.org/translate/Mishnah_Bava_Kamma.4.3?lang=bi&with=all&lang2=en (consultado em 21/01/2019, consulted in 01/21/2019.).

(4º Versículo) [Se] um boi de uma pessoa comum [fisicamente ou civilmente autônoma] entorpece o boi de um surdo-mudo, de um inválido (debilitado), ou de um menor [menor de idade], ele é obrigado a pagar o dando. [Se] um boi de um surdo-mudo, de um inválido (debilitado) ou de um menor de idade, feriu o boi de uma pessoa comum [fisicamente ou civilmente autônoma], ele [o proprietário do boi que atacou] está isento. [Se] um boi é de um surdo-mudo, de um inválido (debilitado) ou de um menor [menor de idade], a corte nomeia um guardião sobre eles [nomeia um representante no caso dos bois ferirem] e eles [os proprietários prejudicados] testemunham contra eles [os três tipos de pessoas mencionados anteriormente] na presença do guardião [o representante nomeado]. [Se] o surdo-mudo recuperou a audição, ou inválido (debilitado) recuperou sua saúde, ou o menor [menor de idade] chegou à maioridade, [o boi] volta a ser inofensivo, segundo as palavras do rabino Meir. Rabino Yose diz [ainda]: permanece em sua presunção. Um boi do pasto [que está no seu domínio natural] não pode ser condenado à morte, como se diz: “Quando o sangue escorrer” (Êxodo 21:28), e não quando outros o causarem [e.g. entrar no domínio, no pasto].

Fonte original: https://www.sefaria.org/translate/Mishnah_Bava_Kamma.4.4?lang=bi&with=all&lang2=en (consultado em 21/01/2019, consulted in 01/21/2019.).

Anúncios

Mishnah capítulo 3 – Tradução para Sefaria.org

(1º Versículo) [Se] alguém coloca uma jarra em domínio público e outra vem e tropeça nela e a quebra, ele está isento [de dano ao jarro]. E se ele foi ferido por ele, o dono do barril é responsável por seus danos. [Se] o pote quebrou em domínio público e outro escorregou na água [derramada], ou foi ferido por seus cacos, [o dono do pote é] responsável. Rabi Judah diz que, se intencional, ele é responsável. Se não intencional, ele está isento.

(2º Versículo) [Se] alguém derramar água em domínio público, e outro for danificado por ele, ele é obrigado a pagar indenização. Aquele que esconde espinhos ou vidro [no domínio público], ou alguém que constrói sua cerca [na fronteira com o domínio público] com espinhos, ou uma cerca que cai no domínio público – se outras pessoas ficaram feridas, ele é obrigado a pagar danos.

(3º Versículo) [Se] alguém traz sua palha [ou colmo] para o domínio público para fertilizante e outra pessoa foi prejudicado por eles, ele é responsável pelos danos. E [ainda mais], quem primeiro [toma posse] deles tem direito [à palha]. O Rabino Shimon ben Gamaliel diz que quem destrói [objetos] no domínio público, causando dano é responsável por pagar, e quem primeiro [toma posse] deles tem direito. [Se] alguém vira esterco no domínio público e outro é prejudicado por ele, ele é responsável pelo dano.

(3º Versículo) [No caso de] dois ceramistas que estavam andando um atrás do outro, e o primeiro tropeçou e caiu, e o segundo tropeçou no primeiro, o primeiro [oleiro] é responsável pelo dano ao segundo [oleiro].

(4º Versículo) Um veio com seu barril e um veio com seu raio. [Se] o jarro deste alguém foi quebrado no feixe deste, [o dono do feixe] está isento, porque este tem permissão para andar e este [também] tem permissão para andar. Se o dono do feixe estivesse na frente, e o dono do barril estivesse atrás, [então] se o barril quebrasse no feixe, o dono do feixe estaria isento. [Mas] se o dono do feixe parou, ele é responsável. [Mas] se ele disser ao dono do barril: “Pare”, ele está isento. Se o dono do barril estava na frente, e o dono do feixe estava atrás, [então] se o barril quebrou no feixe, então ele é responsável. [Mas] se o dono do barril parou, ele está isento. [Mas] se ele disser ao dono do feixe, “Pare”, ele é responsável. Assim também [o caso] daquele que vem com sua candeia e um com seu linho.

(5º Versículo) [No caso em que] duas pessoas estavam transitando em domínio público, uma correndo e a outra andando, ou se ambas estavam correndo, e se danificaram uma com a outra, ambas estão isentas.

(6º Versículo) [Se] uma pessoa estava cortando [madeira] em um domínio privado e [assim] causou danos no domínio público, ou [corta madeira] no domínio público e causou danos em um domínio privado ou [corta madeira] em um domínio privado e causado dano em um domínio privado diferente, ele é responsável.

(7º Versículo) [Se] dois bois que são categorizados como “tam” (significando que eles não se provaram “muad”, ou propensos a causar dano) ferem um ao outro, eles pagam metade do dano do excesso (isto é, os danos a um são subtraído dos danos do outro, a diferença é calculada, e o dono do boi que causou o maior dano paga metade da diferença). [Se] ambos [bois] são categorizados como “muad” (propensos a causar dano), eles pagam danos completos do excesso. [No caso em que] um [boi] é um “tam” e um outro é um “muad”: [Se] o “muad” prejudica o “tam”, seu dono paga todos os danos do excesso. [Se] o “tam” prejudica o “muad”, seu dono paga metade dos danos do excesso. E da mesma forma, [no caso de] dois homens que se machucaram mutuamente, eles [tanto o dono do boi quanto o homem ferido] pagam os danos completos do excesso. [Se] um homem feriu um “muad” [boi] e o “muad” feriu o homem, ambos [tanto o dono do boi quanto o homem ferido] pagam danos completos do excesso. [Se] um homem feriu um “tam” [boi] e o “tam” feriu o homem: [Se o dano causado pelo homem] ao “tam” [é maior] então ele paga os danos completos do excesso. [Se a lesão causada pelo] “tam” ao homem [é maior], então ele [o dono do boi] paga metade do dano do excesso. Rabi Akiva diz, mesmo [no caso em que a lesão causada pelo] “tam” ao homem [é maior], ele [o dono do boi] paga os danos completos do excesso.

(8º Versículo) [Com relação ao caso de] um boi que valha (100 zuz) que feriu [matou] um boi de 200 [zuz] e a carcaça [do boi morto] não valha nada, ele [o dono do boi morto] leva o boi [vivo]. [Com relação ao caso de] um boi que valeria 200 [zuz] e que feriu [matou] um boi no valor de 200 [zuz] e a carcaça não valha nada: diz o rabino Meir, este é o caso referido pelo verso (Êxodo 21:35) ” E eles venderão o boi vivo e dividirão seu valor. Rabi Judah disse-lhe: “E esta é verdadeiramente a lei?” Você cumpriu [o verso], “E eles venderão o boi vivo e dividirão seu valor”, mas você não cumpriu [a continuação do verso] “E eles também dividirão os mortos [boi]”. Como poder ser isto? Isto se refere ao [caso de] um boi no valor de 200 [zuz] que entalhou [cortou e matou] um boi no valor de 200 [zuz] e a carcaça vale 50 zuz, então aquele leva metade do valor do boi [vivo] e metade do valor do morto [boi], e este leva metade do valor do vivo [boi] e metade do valor do morto [boi].

(9º Versículo) Existe [um caso] em que alguém é responsável pela ação de seu boi, mas isento de sua própria ação, [e um caso] onde ele está isento para a ação de seu boi, mas responsável por sua própria ação. [Se] seu boi envergonhou [outra pessoa], ele está isento. [Mas se] ele envergonhar [outra pessoa], ele é responsável. [Se] seu boi cegou o olho de seu escravo ou nocauteou seu dente, ele está isento. [Mas se] ele cegou o olho de seu escravo ou nocauteou seu dente, ele é responsável. [Se] seu boi feriu seu pai ou mãe, ele é responsável. [Mas se] ele feriu seu pai ou mãe, ele está isento (de danos monetários). [Se] seu boi acendeu uma pilha de grãos no sábado, ele é responsável. [Mas se] ele acendeu uma pilha de grãos no sábado, ele está isento (de danos monetários). [Nos dois últimos casos, ele está isento de danos monetários] porque é responsável pela pena de morte.

(10º Versículo ) [Se] um boi perseguia outro boi e causava dano. Este diz “Seu boi está danificado”, e aquele diz: “Não, seu boi foi ferido em uma rocha”, o ônus da prova é sobre aquele que deseja ser compensado. Se dois [bois] estavam correndo atrás de um [boi], este aqui diz: “Seu boi danificou [feriu]”, e este aqui diz: “Seu boi danificou [feriu]”, ambos estão isentos. Se ambos os [bois] pertenciam a um único proprietário, ambos são responsáveis. Se um era grande e um era pequeno, e o ferido [dono] diz: “O grande danificou [feriu]”, e aquele que feriu [dono] diz: “Não, o pequeno danificou [feriu]” … [Ou se] um era um ” tam “(observadamente não ser habitual à infligir danos) e um era um” muad “(observadamente habituado à infligir danos), e o ferido [proprietário] diz:” O ‘muad’ danificado [ferido] “, e o acusador diz:” Não, o ‘tam’ é que danificou [feriu] “… … [nestes casos] o ônus da prova cabe àquele que deseja ser compensado. Se dois [bois] foram danificados [feridos], um grande e outro pequeno, e dois [bois] é que causaram o dano [ferimento], um grande e outro pequeno … … O ferido [proprietário] diz: “O grande danificou o grande e o pequeno danificou o pequeno “, e o que danificou diz,” Não, o pequeno feriu o grande e o grande feriu o pequeno “… [Ou se] um era um” tam “e um era um “muad”, e o ferido [proprietário] diz: “O ‘muad’ danificou o grande e o ‘tam’ danificou o pequeno”, e aquele que danificou diz: “Não, o ‘tam’ feriu o grande e o ‘muad’ feriu o pequeno “… [nestes casos] o ônus da prova cabe àquele que deseja ser compensado.

Fonte original: https://www.sefaria.org/translate/Mishnah%20Bava%20Kamma%203:11?next=/Mishnah_Bava_Kamma.3.11?lang=bi&with=all&lang2=en (consultado em 01/01/2019, consulted in 01/01/2019).